Não desperdice a crise nem a sua reputação

No nono aniversário da Makemake, não poderia deixar de contribuir para esta edição da revista. Mas acredito que vamos comemorar mesmo em 2021, não apenas porque a empresa estará completando dez anos, mas por podermos olhar para trás com alívio e alegria. Aliviados de ter superado este momento pandêmico de pandemônio social, econômico, politico (infelizmente) e, sobretudo, mental. Alegres por ter aprendido um pouco mais e evoluído como pessoas - e profissionais - de reputação.  

 

Já falaram sobre uma evolução natural que parece estar acontecendo no mundo. Mas não penso no sentido Darwiniano de evolução da espécie, de que resistirão os humanos que forem menos suscetíveis aos vírus. Penso na evolução das pessoas intimamente – e das empresas - que tiverem maior habilidade de adaptação. Vai além de resiliência, trata-se de exercitar a sensibilidade e a capacidade critica para decidir onde se deve mudar e inovar. Sem dúvida um período de reflexão, de interiorização, de muita comunicação interna – ainda que à distância.  

 

O último encontro/palestra presencial de que eu participei, representando a Makemake, foi sobre “A Comunicação na era do Anywhere Office”, em 12 de abril, na sede da Aberje, em São Paulo. Foi um pouco chocante ouvir que uma das palestrantes não compareceria devido à restrição de sua companhia de que os executivos e colaboradores participassem de eventos externos – e cheios de gente. Na hora eu pensava “será este o último evento ‘ao vivo’ que irei na vida?” Espero que não tenha sido... Mas não poderia haver assunto mais oportuno, às vésperas de entrarmos numa quarentena que seria quinzenal e tornou-se mais extensa do que mensal. Como fazer “comunicação interna” quando os colaboradores estão mais pulverizados do que nunca – e olha que a prática de home office ainda não estava generalizada. Muitos aplicativos e plataformas baseadas em redes sociais, seja Yammer, Google Workplace, WhatsApp ou até Instagram. As organizações que já estavam nesta linha provavelmente agora devem estar menos conturbadas e preservando sua reputação junto aos seus talentos. Especialmente se os líderes estiverem colaborando também para imprimir uma comunicação clara, dinâmica, constante, autêntica e transparente.

 

 

Crises têm dois lados, sabemos. O que para a lagarta é o fim, para a borboleta é apenas o começo. Quando comecei a frequentar o escritório da Makemake do Rio, conhecendo mais a parceira Tatiana Maia Lins, sorri ao saber que a senha do wifi era borboleta. Pois esta consultora não esmorece e está atravessando a crise se reinventando, até como professora de pós-graduação EAD. Certamente sairá do seu casulo de quarentena voando como borboleta. 

 

Não desperdice a crise. Este é o conselho que vem dando o consultor Ricardo Guimarães, fundador da Thymus. Ele tem feito uma série de vídeos neste tema e, numa das gravações (que disponibilizo abaixo), fala da importância da colaboração. Proclama que “competir e cooperar ao mesmo tempo é difícil, mas é o verdadeiro desafio criativo que a crise nos oferece e que nos faz evoluir. Competir em uma hora e cooperar em outra não cria a tensão da negociação que cria o novo, o que não existia. Sem tensão não há evolução, não há criação. Acolher a tensão e aprender a gerenciá-la. Esse é o aprendizado.” Caro Ricardo, do jeito que estamos tensos, espero que consigamos evoluir muito então. Na Makemake, "cooperar com competidores para fortalecer o mercado" sempre existiu e a prova é esta revista. 

 

 

Mas precisamos estar todos tão tensos?  Tenho usado os canais digitais para me informar, me comunicar com familiares e amigos e, mais do que nunca, tenho aproveitado as lives de assuntos zen, de música e até humor, para ajudar a manter a sanidade. 
 
Não desperdice a crise. OK, mas cada um encontra o seu caminho e o seu ritmo. Preserve sua sanidade para preservar sua reputação. Tenha paciência com você mesmo e com os que estão ao seu redor - seja seus superiores, pares, subordinados, parceiros, amigos ou familiares. Vamos tentar evoluir, nos transformar de lagarta em borboleta. Quem (sobre)viver, verá. Tamo junto!  

 

* Marcia Cavallieri é consultora associada da Makemake  - A casa da Reputação e subeditora da Revista da Reputação. 

Please reload

© DNA Criativo